Ordo Fratrum Minorum Capuccinorum PT

Log in
updated 9:50 AM UTC, Jun 18, 2024

Novo Venerável Fr. Guglielmo Gattiani

O Papa Francisco, na audiência de 23 de maio de 2024, autorizou ao cardeal Marcello Semeraro, Prefeito do Dicastério para a Causa dos Santos, a promulgar o Decreto super virtutibus et fama sanctitatis de Frei Guglielmo Gattiani, sacerdote professo da Província de Emília- Romana. 

As palavras “radicalidade” e “pobreza”, entendidas como um projeto de busca daquilo que é a essencialidade da vida caracterizam a figura de Frei Guglielmo Gattiani, onde a expressão, tipicamente franciscana de “Meu Deus e Meu Tudo”, sintetiza a sua busca do Absoluto no contínuo despojar-se de si para abrir-se ao Único e Sumo Bem. Frade da essencialidade, o Servo de Deus não buscou o eremitério para estar somente a “sós com Deus”, mas para viver uma “pobreza austera”, única porta que poderia permitir-lhe entrar na intimidade de Deus e desde aí, sair ao encontro dos irmãos para falar-lhes das “coisas do Alto”. O exercício do seu ministério, no encontro com tantos fiéis que cotidianamente o buscavam, foi caracterizado por uma sincera acolhida; realidade que nunca o distraiu ou o atrapalhou, pois foi sempre acompanhada por uma profunda vida de oração.O Servo de Deus, com a sua característica radicalidade em viver a absoluta pobreza, na busca de viver a obediência e a fiel castidade, soube comunicar às pessoas do seu tempo e continua comunicando aos homens de hoje que o primado de Deus é a essência para uma vida autêntica e de forma completa.

Frei Guglielmo Gattiani nasceu em Badi (Bolonha), no dia 11 de novembro de 1914. Foi batizado na igreja paroquial de São Próspero no dia 15 de novembro de 1914 com o nome de Oscar. Em Badi, transcorreu a sua infância ajudando os pais na pequena padaria do vilarejo. Padre Pio Mazzetti, que percebe nele sinais de uma vocação especial, o direciona aos Capuchinhos. Aos 9 de novembro de 1924 Oscar entra no Seminário Seráfico de Faenza, onde completa a escola elementar para depois passar, no dia 10 de setembro de 1925, a Ímola, para cursar o ginásio. No dia 15 de novembro de 1929 inicia o noviciado recebendo o nome de Frei Guglielmo de Badi, ao término do qual, em 17 de novembro de 1930, emite a Profissão Religiosa. Passa, dessa forma, ao convento de Lugo para completar os estudos no liceu e sucessivamente, se encaminha para Forlí e Bolonha, para os estudos de Filosofia e Teologia respectivamente. Aos 22 de maio de 1938 receberá a ordenação sacerdotal e em seguida, será enviado como professor nos seminários seráficos de Faenza, Lugo e Ravena. Em 1944 o encontramos em Cesena como professor para os frades que estão estudando no liceu, até que em maio de 1946 é nomeado Mestre de Noviços, serviço que realizará até agosto de 1964, quando lhe será solicitado que trabalhe como Diretor espiritual dos noviços. Livre de um compromisso de presença contínua, o Servo de Deus, com a obediência dos seus superiores, inicia a conduzir uma vida de pobreza, acompanhando-a com o serviço às Clarissas Capuchinhas de Cesena.

Em 1969 os superiores lhe consentem um desejo pessoal, que cultivou sempre no seu coração: residir em Lagrimone, onde as Clarissas Capuchinhas, provenientes de Ferrara, edificaram um novo mosteiro, e ali conduz uma vida de “pobreza absoluta” servindo às religiosas como capelão e cultivando uma estreita união com Deus. Será neste período que encontrará Padre Natale Montalti, desejoso de compartilhar a mesma experiência de pobreza e também o projeto para a fundação “Casa do Pai”, como sede de encontro para jovens, famílias e etc., com o fim de poder dar vida a uma “Fraternidade do amor universal”. O Servo de Deus encontrou finalmente o tão desejoso “lugar” onde viver em fraternidade, conduzindo a itinerância apostólica, cultivando a oração e a contemplação e praticando o acolhimento das pessoas que iam ao seu encontro. 

Em abril de 1980, acompanha um grupo de peregrinos de Cesena à Terra Santa e, contemporaneamente, pede e obtém dos seus superiores de viver um ano sabático na comunidade de Padre José Dossetti e ali vive o seu ideal de “pobreza absoluta”. Da Terra Santa, o Servo de Deus deverá retornar depois de somente transcorrido seis meses, pois será chamado para substituir o responsável do Santuário do Santíssimo Crucifixo em Faenza.

Devido a este novo serviço, o Servo de Deus será obrigado a abandonar todas as suas iniciativas precedentes, com exceção da vivência da “pobreza absoluta”. A sua cotidiana presença no santuário, unida à sua austeridade e a uma cordialíssima acolhida, fará com que todos os dias se dirija uma multidão de fiéis ao seu encontro.

Em 1985, motivado pela facilidade com a qual João Paulo II utiliza os meios de comunicação, amadurece e cresce a importância de dar vida a uma televisão mundial católica, entrando em colaboração com Telepace.

No dia 15 de dezembro de 1999, o Servo de Deus, como todos os dias, se encontra na igreja, para administrar o sacramento da Reconciliação. Após escutar a última confissão, sofre um infarto. O sacerdote, que havia acabado de se confessar, recolhe as suas últimas palavras, nas quais oferece a sua vida pela Igreja, pelo Papa e por todos.

O Decreto super virtutitus et fama sanctitatis é o reconhecimento da vida virtuosa do Servo de Deus, agora um milagre, estudado e aprovado pelas autoridades competentes, levaria-o à beatificação.